José Antônio Mendonça

José Antônio Mendonça

Ouvir som alto era um hábito constante para José Antônio Mendonça, 64 anos. Com o tempo algumas mudanças passaram a ser notadas e a incomodar. “Nunca pensei que poderia ter algum problema pelo excesso de música alta. Mas os sintomas apareceram. Percebi que ouvir no celular estava cada vez mais difícil e em casa a família começou a reclamar que eu não ouvia quando falavam, sempre pedia para repetir e o volume da TV sempre alto. Na minha profissão, motorista, passei a não ouvir sons de ambulância, do alerta ou seta ligados do carro e até mesmo as orientações do caminho que deveria seguir”, comenta.

Após a insistência da família, concordou em procurar um otorrino e teve confirmado o diagnóstico de perda auditiva e a indicação de usar aparelho auditivo. “Estava decidido a encontrar um aparelho que atendesse à necessidade e que ficasse dentro da minha realidade. Quando cheguei na Ouvir Mais foi melhor do que esperava, recebi um atendimento especial, todas as minhas dúvidas foram muito bem explicadas e encontrei um apoio único. A confiança e carinho que a equipe da Ouvir Mais passa foi a diferença para o sucesso do meu tratamento”, afirma.

Para José Antônio recuperar a audição era fundamental para uma vida com mais qualidade. “Estava me isolando da família, evitando conversar. No trabalho estava ficando preocupado em não ouvir às orientações e os sons do trânsito. Hoje recuperei o prazer de conversar com a minha família e de estar atento no trânsito. Atualmente sou eu que peço para a esposa baixar o volume da TV e me divirto quando as pessoas acham que uso aparelho e por isso não escuto, pelo contrário agora que ouço mesmo”, finaliza.